Fígado gordo e obesidade: que relação? As explicações de um médico

O fígado gordo (DHGNA) é uma doença silenciosa, sendo a principal causa de doença do fígado no mundo ocidental e está associada à obesidade em cerca de 70% das pessoas com obesidade.

Estudos epidemiológicos demonstraram a progressão da acumulação de gordura no fígado para cirrose e cancro. O fígado gordo precede o início da resistência à insulina e está associada à progressão para diabetes tipo 2.

Vários estudos mostraram efeitos benéficos da cirurgia bariátrica em pacientes com fígado gordo.

Portanto, a acumulação de gordura no fígado pode ser metabolicamente prejudicial à saúde. Além das complicações metabólicas, os pacientes obesos com fígado gordo podem desenvolver inflamação crónica do fígado (esteato hepatite) e nalguns casos até cirrose com necessidade de transplante hepático.

A cirrose hepática associada ao fígadogordo está a emergir como uma das principais causas de transplante de fígado. Por estas razões, o fígado gordo está a ser considerado como uma questão de saúde pública.

A opção terapêutica mais eficaz para prevenir o início e a progressão desta doença é adotar um estilo de vida saudável. No entanto, apenas alguns pacientes aderem às mudanças no estilo de vida e por vezes pode ser difícil manter um estilo de vida saudável a longo prazo.

Nos últimos anos, as terapias endoscópicas bariátricas e metabólicas surgiram como alternativas eficazes, menos invasivas e mais seguras para o tratamento da obesidade e diabetes tipo 2. Estudos observacionais demonstraram efeitos benéficos destas terapêuticas na gravidade da doença do fígado gordo, avaliada por parâmetros não invasivos como o Fibroscan.

O Fibroscan é um exame não invasivo, que permite diagnosticar o fígado gordo e sinalizar os pacientes em risco de desenvolver cirrose do fígado.  Esta tecnologia inovadora está disponível na Gastroclinic.

Um artigo do médico Miguel Afonso, Diretor Clínico da Gastroclinic.

 

 

 

 

 

Leave a reply